O que foi decisivo na hora de escolher o colchão da minha casa: a rigidez do colchão (já que temos um pouco de dor nas costas), o tipo de mola (já que nos mexemos muito à noite), o material do colchão (que deve ser de qualidade para durar e não deformar), o tecido que envolve o colchão (que não deve nos esquentar) e o prazo de teste (por quantos dias podemos experimentar o colchão e, caso necessário, trocá-lo por outro).
O que levar em conta:

– Peso e altura:
O ideal é que o colchão acompanhe a curvatura natural da coluna e suporte todas as partes do corpo. Normalmente, as lojas têm uma tabela que indica a densidade ideal para cada corpo. Além disso, deixe a vergonha de lado e teste o colchão na loja. Passe alguns minutos sobre ele, deitada de lado, e veja se é realmente confortável. “Colchões baixos não são indicados para pessoas com mais idade, pois, na hora de levantar, o peso do corpo é apoiado nas pernas”, Lollô Tenucci dá a dica.
– Casal com diferença significativa de peso:
Pode encomendar um colchão com confortos diferentes em cada lado. Mas isso não é regra, vai das preferências de cada casal.

– Firmeza:
Os critérios de firmeza e maciez são individuais. Então, se você gosta de colchões mais macios ou mais firmes, avise ao vendedor para que ele te ajude a escolher o modelo ideal para você. O importante é que o colchão sustente corretamente o corpo, garantindo conforto durante o sono. “Os colchões mais firmes são indicados para pessoas com problemas de coluna e má circulação”, completa Lollô.

A hora certa de trocar:
– É importante virar regularmente o colchão (mais ou menos de 3 em 3 meses) – em sentido horário, da cabeceira para os pés – para que ele fique uniforme.
– Importante também deixá-lo arejando durante algum tempo para permitir que a umidade saia.
– Se puder, utilize uma capa protetora. Ela protege de poeiras e fatores prejudiciais, aumentando a longevidade do colchão.
– O ideal é trocar o colchão após 10 anos de uso.

Tipos mais comuns de colchão:

De molas
Existem colchões com dois tipos de molas: entrelaçadas (superlastic) e de molas ensacadas individualmente. O primeiro tipo é bastante utilizado em camas de hotel, já que suporta todos os pesos, enquanto o colchão de mola ensacada suporta corpos de até 130 kg. Se o casal se mexe muito durante a noite, este é o modelo mais indicado, garantindo conforto e estabilidade.
De espuma
O tipo mais comum e também o mais vendido. As densidades variam normalmente em três tipos: D28 (macio), D33 (médio) e D45 (firme). “Muita gente acha que os colchões de espuma deformam facilmente, mas, se forem feitos com um material bom, podem muitos anos”, conta Lollô Tenucci.

De látex
Tem material durável e confortável, pois se adapta facilmente ao contorno do corpo, indicado para quem tem dores na coluna. Pode variar de macio ou firme. Modelo bom para pessoas alérgicas, já que é anti-bactericida, anti-mofo, anti-alérgico e anti-fungos. Ele não deforma, conforta qualquer peso e altura, e suporta bem a coluna. Por estas razões, é um dos modelos mais caros.

De viscoelástico
Para quem gosta de colchão macio, o viscoelástico é um tipo de espuma que foi desenvolvido para astronautas. Os colchões com este material dão um conforto aconchegante e envolvem o corpo de quem deita.

 

fonte: http://goo.gl/CWVAqM